top of page

O Glúten Pode Causar Prisão De Ventre?




No mundo de hoje, as preferências e sensibilidades alimentares estão cada vez mais em destaque. A intolerância ao glúten e a doença celíaca surgiram como condições comuns e muitas vezes incompreendidas. Para quem lida com a sensibilidade ao glúten, sabe que a intolerância ao glúten traz mais do que apenas um leve desconforto. Existe uma enorme variedade de sintomas relacionados ao glúten que perturbam o fluxo da vida cotidiana. Um sintoma comum associado à intolerância ao glúten é a constipação.


O Que É Glúten?

Glúten é a proteína dos grãos que confere elasticidade ao pão e outros produtos assados. O glúten é frequentemente associado ao trigo, centeio e cevada. Porém, sabemos que as proteínas do glúten podem ser encontradas em TODOS os grãos.

Para quem tem doença celíaca, o glúten pode ser extremamente prejudicial. O glúten pode desencadear uma reação imunológica causando inflamação nos intestinos, o que pode resultar em uma série de outros problemas de saúde.

 

O Que É Sensibilidade Ao Glúten?

Há muitas pessoas que tiveram resultados negativos para doença celíaca, mas apresentam sintomas decorrentes da ingestão de glúten ou enfrentam vários problemas de saúde, incluindo doenças autoimunes. Acredita-se que essas pessoas tenham sensibilidade ao glúten não celíaca (SGNC), uma condição que pode afetar até 6% da população.

Embora comumente considerado menos problemático do que a doença celíaca, a SGNC pode desencadear reações imunológicas que, em alguns casos, são igualmente preocupantes.

 

O Glúten Pode Causar Prisão De Ventre?

Para alguns indivíduos, o consumo de glúten não resulta em problemas gastrointestinais adversos agudos. No entanto, para muitas pessoas, a ingestão de glúten pode desencadear uma série de sintomas. Um dos mais comuns é a constipação.

Existem vários mecanismos pelos quais o glúten ou os grãos podem causar constipação:

1)      Doença Celíaca:  A doença celíaca é uma doença autoimune caracterizada por uma reação ao glúten ingerido em indivíduos geneticamente predispostos. A resposta imune ao glúten danifica as vilosidades do intestino delgado, levando à má absorção de nutrientes. Essa má absorção e a inflamação resultante podem afetar a motilidade intestinal e levar à constipação. Além disso, danos na mucosa nos intestinos podem afetar a motilidade intestinal na doença celíaca não tratada através da perturbação da regulação hormonal e neuroimunomoduladora.

2)      Sensibilidade não celíaca ao glúten: esta é uma condição em que os indivíduos apresentam sintomas semelhantes aos da doença celíaca após consumir glúten, mas sem o agente autoimune resposta que ocorre no revestimento intestinal. O mecanismo exato não é totalmente compreendido, mas acredita-se que uma microbiota intestinal alterada e uma inflamação de baixo grau desempenhem um papel. Essas alterações na motilidade intestinal podem resultar em constipação. Pesquisas também vincularam a sensibilidade ao glúten à apresentação de sintomas clínicos semelhantes aos da Síndrome do Intestino Irritável (SII).

3)      Alergia ao trigo: Uma alergia ao trigo é diferente da sensibilidade ao glúten e da doença celíaca. O trigo é apenas um tipo de grão que contém glúten, mas uma reação alérgica ao trigo também pode resultar em sintomas gastrointestinais, incluindo prisão de ventre.

4)      FODMAPs: FODMAPS significa Oligossacarídeos, Dissacarídeos, Monossacarídeos e Polióis Fermentáveis. Alguns indivíduos são sensíveis a esses carboidratos e podem causar vários sintomas gastrointestinais, incluindo prisão de ventre, especialmente naqueles com SII. Os grãos que contêm glúten, especialmente o trigo, são ricos em FODMAPs. No entanto, nem todos os sintomas resultantes do consumo de trigo são exclusivamente devidos ao glúten. Os mesmos sintomas podem ser provenientes do alto conteúdo de FODMAP. Observe que uma dieta sem glúten é segura para adoção a longo prazo, mas uma dieta baixa em FODMAP pode ser bastante restritiva e colocar uma pessoa em risco de perder fibras e micronutrientes em sua dieta. 

5)      Alterações da microbiota intestinal: A microbiota intestinal desempenha um papel fundamental na digestão e na consistência das fezes. Alimentos com glúten ou que contenham glúten podem alterar a microbiota intestinal em alguns indivíduos, levando à redução da motilidade intestinal e à constipação.

6)      Motilidade intestinal alterada: para alguns indivíduos, o glúten ou seus componentes associados podem alterar o movimento dos alimentos através dos intestinos (conhecida como motilidade), o que pode causar prisão de ventre.

7)      Efeitos diretos no intestino: glúten ou outras proteínas como inibidores de amilase-tripsina (ATIs) no trigo pode levar a uma ativação do sistema imunológico inato no intestino, levando a uma inflamação de baixo nível. Essa inflamação pode resultar potencialmente em alteração da função intestinal, incluindo prisão de ventre.

É claro que o glúten pode induzir a obstipação através de uma variedade de mecanismos, que vão desde respostas imunomediadas, como observadas na doença celíaca, até sensibilidades relacionadas com hidratos de carbono fermentáveis ​​em grãos que contêm glúten. No entanto, nem todas as pessoas que consomem glúten sentirão esses efeitos, e o mecanismo preciso que causa a constipação pode variar de indivíduo para indivíduo.


Perigos Da Constipação

A constipação pode ser bastante desconfortável, mas os casos agudos de constipação normalmente não causam complicações graves ou problemas de saúde a longo prazo. No entanto, a constipação crônica ou prolongada pode resultar em algumas complicações, listadas abaixo:

1)      Sangramento retal

Esforçar-se continuamente para evacuar pode ser doloroso e desconfortável, mas também pode causar sangramento retal. O sangramento pode resultar de uma pequena ruptura ao redor do ânus (chamada fissura anal) ou de hemorróidas, que são vasos sanguíneos inchados que se formam na parte inferior do reto e ânus.

Além do sangramento, as hemorróidas também podem causar dor, coceira ao redor do ânus e inchaço do ânus. Embora cremes e pomadas estejam disponíveis para tratar os sintomas desconfortáveis ​​das hemorróidas, é importante não apenas tratar os sintomas da constipação, para não mascarar a condição subjacente que está causando a constipação.

 2)      Impactação fecal

Quando você não esvazia regularmente os intestinos, como no caso da constipação crônica, fezes secas e duras podem se acumular no reto e no ânus e aumentar o risco de uma condição chamada impactação fecal. Infelizmente, a impactação fecal piora a constipação porque é mais difícil para as fezes e resíduos saírem do ânus, pois o caminho está obstruído. Isso pode se transformar em um ciclo vicioso que pode exigir atenção médica para liberar as fezes do corpo.

A impactação fecal também pode levar a uma série de outras complicações, incluindo:

·         inchaço do reto

·         uma perda de sensibilidade dentro e ao redor do ânus

·         incontinência intestinal (incapacidade de controlar os intestinos, resultando em evacuações involuntárias)

·         sangramento do ânus

·         prolapso retal (um problema que faz com que parte da parte inferior do intestino caia fora do lugar e se projete do ânus; isso também pode ocorrer como resultado de esforços repetidos em pessoas com constipação crônica)


Gerenciando A Constipação Induzida Por Glúten

Então, como você pode controlar e aliviar a constipação induzida pelo glúten? As seções a seguir fornecem algumas sugestões.

1)      Elimine o glúten

Como a doença celíaca muitas vezes se manifesta como diarreia crónica, muitos não sabem que o glúten é um dos principais contribuintes para a obstipação. Mas, como estabelecemos, o glúten pode causar função intestinal anormal de várias maneiras – resposta imunológica e inflamação no intestino, danos aos nervos que regulam o movimento peristáltico no trato gastrointestinal, alterações na flora bacteriana saudável no intestino e muito mais.

2)      Limite os alimentos processados

Muitos alimentos processados ​​contêm açúcar refinado, gorduras hidrogenadas, cores e sabores artificiais e muito mais. Tudo isso pode contribuir para desequilíbrios no intestino e também para constipação.

3)      Considere o efeito dos laticínios

Os laticínios podem causar produção excessiva de muco no trato gastrointestinal. Este processo pode retardar os movimentos intestinais. O leite altamente processado e os subprodutos do leite de hoje também contêm uma forma de caseína (proteína do leite) que pode imitar os efeitos do glúten.

4)      Introduzir movimento

O movimento do corpo é vital para uma boa saúde. Quando andamos, corremos, saltamos e nos movemos, nossa coluna, sacro e quadris se movem de forma sincronizada. Esta ação de bombeamento apoia a motilidade intestinal adequada. A falta de exercícios é uma causa muito comum de constipação persistente.

 5)      Verifique seus medicamentos

Alguns dos medicamentos mais comumente prescritos e vendidos sem prescrição médica podem causar prisão de ventre. Isso inclui:

·         Medicamentos para dor (especialmente narcóticos)

·         Antiácidos (medicamentos para azia)

·         Medicamentos para pressão arterial (bloqueadores dos canais de cálcio)

·         Medicamentos antiparkinsonianos

·         Relaxantes musculares

·         Antidepressivos

·         Suplementos de ferro

·         Diuréticos

·         Anticonvulsivantes (medicamentos para convulsões)

6)      Considere sua ingestão de cafeína

Café, chá, bebidas energéticas e chocolate são fontes comuns de cafeína. A cafeína pode criar disfunção intestinal a longo prazo. O excesso de cafeína não só pode causar desidratação que leva à redução da função intestinal, como também pode inibir os nervos que estimulam o fluxo intestinal adequado. Se você está lidando com prisão de ventre, considere remover bebidas com cafeína de sua dieta.

7)      Aumente sua fibra

Muitas vezes, os médicos recomendam mais fibras na dieta para combater a constipação. O problema é que as recomendações são comer mais grãos integrais ou tomar suplementos de fibras que prejudicam a digestão e têm contaminação cruzada com glúten.

Recomendamos aumentar a ingestão de fibras naturalmente através de vegetais e frutas frescas, além de nozes e sementes. A fibra alimentar integral fornece micronutrientes importantes e também auxilia na evacuação saudável.

8)      Hidratação

A ingestão inadequada de água é um problema crônico para a pessoa média. A maioria consome muita cafeína (causando esgotamento de água). Grande parte das nossas necessidades diárias de água vem dos vegetais. A incorporação de alimentos que contenham água reduz a necessidade de beber quantidades excessivas de água. Lembre-se de que a água ajuda a regular o movimento intestinal e o equilíbrio eletrolítico. A deficiência é um fator importante que contribui para quem sofre de prisão de ventre.

9)      Suplementos Sem Glúten

Nem todos os suplementos são criados iguais. Muitos suplementos usam formas pobres de nutrientes que não são bem absorvidas. Além disso, muitos apresentam contaminação cruzada com glúten. Portanto, é fundamental encontrar uma empresa respeitável, especializada no fornecimento de suplementos sem glúten e que esteja comprometida em testar seus ingredientes e produtos finais quanto à presença de glúten.

10)   Fibra

Pesquisas sugeriram que a ingestão de fibra alimentar pode aumentar a frequência das evacuações em pacientes com constipação.

11)   Probióticos

Vários estudos confirmaram a relação entre constipação e a composição da microbiota intestinal. Além disso, muitos outros estudos confirmaram a eficácia dos probióticos no alívio dos sintomas da constipação.

12)   Butirato

Butirato é a principal fonte de combustível para as células do intestino grosso e demonstrou desempenhar papéis importantes na manutenção da barreira intestinal, modulando a inflamação e auxiliando no bom funcionamento do intestino. motilidade intestinal. Este “pós-biótico” pode ser especialmente benéfico para indivíduos que lidam com uma função gastrointestinal abaixo do ideal.

Um estudo observou uma redução estatisticamente significativa na dor durante a defecação em pacientes que receberam butirato de sódio microencapsulado

 

 

Comments


bottom of page